• Peri Dias

Bronca, conselho ou feedback? Saiba a diferença

Bronca e feedback são termos usados como sinônimos em muitas conversas sobre performance de funcionários, já percebeu?


Acesse o curso online de Feedback do Veduca e entenda como usar melhor essa ferramenta!


Muita gente diz frases como “Quando o funcionário erra, o chefe tem que dar um feedback, senão vira festa” ou “Que chefe brava, era feedback todo dia!”.


Nos diálogos informais, o feedback assume também o lugar de outros conceitos. Há situações em que a palavra é usada, por exemplo, para substituir elogio (“Adorei os feedbacks que recebi depois da apresentação”) ou conselho (“olha, preciso dar um feedback a você: tome cuidado com essa pessoa”).


Às vezes, o feedback aparece, ainda, misturado com a avaliação de desempenho (“você já recebeu aquele formulário para dar feedback sobre os colegas?”).


Claro que, em uma conversa descontraída, misturar os termos não vai matar ninguém.


Porém, é importante que as diferenças entre cada uma dessas ferramentas estejam bem definidas, na cabeça dos profissionais que querem investir no seu próprio desenvolvimento e no de sua equipe.


Afinal, entender o que cada termo indica é o primeiro passo para usar essas ferramentas de forma efetiva.


Para se guiar melhor no vocabulário da performance corporativa, o Blog do Veduca entrevistou duas experientes consultoras em Recursos Humanos.


Além disso, reuniu informações do curso online de Feedback que o próprio Veduca acaba de lançar. O resultado é o resumo abaixo. Confira!


Primeiro, as definições mais fáceis

Vamos começar pelas palavras que todo mundo sabe o que é. Bronca e elogio são termos tão comuns que não precisamos defini-los, concorda?


É verdade que as diferenças entre esses dois termos e o feedback podem ser um pouco mais tênues, em algumas situações. Ainda assim, é fácil separar uma coisa da outra.


O apresentador do curso de Feedback do Veduca, Marcelo Mejlachowicz, que é fundador e CEO do Veduca, delimita bem esses campos, em uma das lições que ele dá.


É o seguinte: elogio e bronca diferenciam-se do feedback porque não são necessariamente baseados em evidências.



Além disso, não surgem necessariamente da intenção de ajudar no crescimento da outra pessoa ou da equipe e podem ser pouco ou nada específicos. Vejamos exemplos.


Bronca X Feedback

Bronca: “Você é muito irresponsável com o horário das reuniões!”.


Feedback: “Você se atrasou demais para a reunião de hoje e isso fez o cliente ficar irritado. Da próxima vez, por favor, chegue no horário ou, se tiver uma boa razão para o atraso, ligue informando que está a caminho”.


Diferença: O feedback especificou melhor a situação que está sendo analisada, esclareceu a consequência que a atitude em questão provocou e deu uma sugestão de melhoria. Já a bronca foi mais como um desabafo. Não necessariamente a bronca estimula a outra pessoa a mudar de comportamento ou aponta caminhos para isso.


Elogio X Feedback

Elogio: “Que apresentação incrível! Parabéns, adorei!”


Feedback: “Achei incrível a forma como você resumiu claramente as necessidades do cliente e as soluções que a empresa sugere. Nas próximas apresentações do tipo, podemos até ampliar essa parte, incluindo alguns infográficos. Vamos pedir ajuda do nosso designer!”


Diferença: O elogio foi agradável, mas expressou apenas o contentamento da pessoa que o emitiu. O feedback detalhou o que fez a apresentação ser tão boa, reforçou a ideia de que aquele comportamento deve ser repetido e ainda deu uma sugestão para ampliar o que deu certo.


Nem todo feedback precisa ser extremamente detalhado e conter sugestões muito precisas de como melhorar, mas o feedback se caracteriza, em geral, por permitir à pessoa que o recebe entender claramente onde ela acertou, onde errou e qual era o comportamento esperado.


A definição de feedback e seus usos

O termo “feedback” pode ter mais de uma definição, mas se refere, grosso modo, a uma conversa entabulada com o objetivo de ajudar alguém a se desenvolver profissionalmente ou em aspectos da vida pessoal.


Essa é a definição que o apresentador do curso online de Feedback do Veduca, Marcelo Mejlachowicz, traz para sua aula sobre o tema, mas ele enriquece essa perspectiva com as opiniões de três outros profissionais com bastante vivência de mercado. Cada um deles traz um novo aspecto do feedback.


Para saber mais sobre o que é feeback e como essa ferramenta é utilizada, leia este post que publicamos no Blog do Veduca.


Neste outro post, mostramos as sugestões de Mejlachowicz sobre como dar feedback. O CEO do Veduca traz dicas valiosas e baseadas em sua experiência em grandes e pequenas empresas.


No curso online, também há vídeos sobre como receber feedback, quais são as metodologias mais conhecidas dessa forma de diálogo e boas discussões a respeito da psicologia do feedback e do seu uso nas empresas.


Conselho X Feedback

Quando pensamos na diferença entre conselho e feedback, o território fica um pouco menos definido do que no caso da comparação entre feedback e bronca ou feedback e elogio.

Ambas as formas de se comunicar partem do princípio de que o emissor da mensagem tem algo de útil a oferecer ao interlocutor, por ter mais experiência, conhecer melhor o tema ou ter uma visão mais imparcial da situação.


Mesmo assim, dá para apontar diferenças.


O conselho não precisa necessariamente se basear nas experiências da pessoa que está recebendo aquela mensagem e pode ser vago.


Já  o feedback, como vimos sempre está relacionado às atitudes da pessoa que o escuta e costuma ser específico, em relação às situações que estão sendo analisadas, às suas consequências e ao que era esperado naquele contexto. Vejamos exemplos.


Conselho: “Na vida, não vale a pena a gente se concentrar demais nas críticas. É melhor prestar atenção ao que é positivo e construir nossas relações com o que a gente pode oferecer de melhor”.


Feedback: “Vi que você ficou chateado com as críticas que o gerente regional fez ao projeto e que isso esfriou seu entusiasmo. Queria sugerir que você não se importe muito com isso, porque a empresa tem muito a perder se não puder contar com a sua energia. Receber críticas não é fácil, mas essa é uma situação em que a gente precisa exercitar nossa resiliência e seguir em frente, porque eu tenho certeza de que, no fim, as relações com os clientes vão ficar melhores graças a esse esforço”.


Diferença: O conselho ofereceu uma visão geral de como lidar com críticas, mas não relacionou essa ideia abrangente à situação da pessoa que o escutou. Já o feedback partiu da atitude da pessoa em uma situação concreta (perda de entusiasmo diante de críticas), mencionou a consequência daquela atitude (“a empresa perderá muito”) e explicou a postura que o emissor considera a mais adequada (“a gente precisa exercitar nossa resiliência”).


Agora a parte mais elaborada: a avaliação de desempenho entra no jogo


Assim como definimos o que é feedback, vale a pena especificar o que é avaliação de desempenho.


No post anterior do Blog do Veduca, duas especialistas em Recursos Humanos, Tatiana Procópio e Gleici Ibañez, compartilharam suas experiências sobre o tema.


Procópio é graduada em Ciências Econômicas pela PUC-MG e especialista em Gestão Estratégica de Pessoas pela FGV. Trabalhou como gestora de pessoas por 14 anos na área de varejo e atualmente é consultora/diretora da TMP Consultoria e Gestão, Expertise em RH, empresa da qual é fundadora.


Ibañez tem graduação em Psicologia e pós-graduação em Psicologia Transpessoal pela Universidade Católica de Pelotas, no Rio Grande do Sul. Conta com mais de 20 anos de experiência como consultora em Recursos Humanos e é Master Coach, com certificação BCI (Behavioral Coaching Institute).


As informações que elas deram eliminam qualquer confusão entre avaliação de desempenho e feedback.


Avaliação de desempenho X Feedback

Avaliação de desempenho: É uma ferramenta estruturada que as empresas utilizam para medir as competências de seus profissionais e de suas equipes ou os resultados que seus funcionários e times obtêm. Desenvolve-se por iniciativa da empresa, em geral com data marcada, uma vez por ano. Em geral, envolve toda a organização ou boa parte dela.


Feedback: É uma forma de diálogo com a intenção de contribuir para o crescimento profissional ou pessoal de alguém (essa definição nos já vimos!). Pode ser dado de maneira formal ou informal e relaciona-se às atitudes daquela pessoa em particular que está recebendo a primeira mensagem. Não precisa ser feito por toda a empresa ao mesmo tempo, não tem uma data certa para ocorrer e a iniciativa pode partir de qualquer pessoa envolvida – o subordinado pode dar um feedback ao chefe, quando sentir que há espaço, por exemplo.


E qual é a relação entre feedback e avaliação de desempenho?

“O feedback pode vir como resultado do processo estruturado de avaliação de desempenho”, explica Tatiana Procópio. “A avaliação de desempenho resulta em números, dados e gráficos sobre um funcionário em particular, uma equipe ou uma empresa. Essas informações vão alimentar o feedback, ou seja, a conversa que cada supervisor direto terá com seu subordinado ou sua equipe sobre os resultados”, ela diz.


Gleici Ibañez aponta que as ferramentas são distintas, mas se complementam.


“Quando alguém dá um feedback com poucas evidências, uma das reações esperadas é que a pessoa que está ouvindo entre na defensiva, é uma reação humana. Já quando a gente mostra dados e gráficos que apontam que várias pessoas fizeram a mesma avaliação sobre uma competência que aquela pessoa precisa desenvolver, por exemplo, fica mais para ela entender que não se trata só da percepção do chefe ou de perseguição”, diz Ibañez.


Ela também ressalta a importância de as empresas não darem a avaliação de desempenho por terminada antes de promoverem os encontros de feedback entre líderes de equipe e seus subordinados.


“Não faz sentido aplicar uma avaliação de desempenho sem concluí-la com os feedbacks individuais. É como ir ao médico, fazer exames de check-up, enviar os resultados para o consultório médico e não ter resposta. É na consulta seguinte, em que o médico dá um feedback dos exames, que aquele exame serve para alguma coisa”, ela compara.

Concluindo, todo o processo que antecede esse feedback pós-avaliação de desempenho faz parte da própria avaliação de desempenho. Quando alguém está preenchendo um formulário de avaliação das competências  do chefe ou de um colega, não está dando um feedback, mas oferecendo subsídios para que o chefe direto da pessoa avaliada dê um feedback.


Neste post do Blog do Veduca, você encontrará muito mais informações sobre como a avaliação de desempenho costuma ser desenvolvida. Veja lá!


Saiba mais sobre a diferença entre bronca, elogio, conselho e feedback

Você tem uma atitude construtiva ao receber feedback ou encara tudo como bronca? Saiba mais sobre como aproveitar essa forma de diálogo da melhor maneira, no curso online de Feedback do Veduca.


Este guia da Fundação Instituto de Administração (FIA) traz informações interessantes sobre feedback.


No vídeo abaixo, do canal do You Tube Desenvolvimento Saudável, a psicóloga Carolina Braga explica a importância de oferecer feedbacks bem estruturados para os alunos. Ela comenta, por exemplo, como o professor pode diferenciar feedback de comparação ou bronca na sala de aula. A explicação dela nos ajuda a entender por que feedback não é bronca, inclusive fora da escola.




Estimular o hábito de dar e receber bons feedbacks, que vão além das broncas ou elogios, é uma das práticas mais importantes para o desenvolvimento dos profissionais em uma organização. Quer saber mais sobre outros aspectos fundamentais da retenção de talentos? Confira o curso online de Gestão de Pessoas do Veduca.


Créditos das fotos


Foto da chamada (desenho de um homem em explosão de raiva): Aarón Blanco Tejedor no Unsplash Veja a foto aqui


Homens no escritório: rawpixel por Pixabay Veja a foto aqui

NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail e fique por dentro das novidades, lançamentos e promoções.

© Veduca   -   Todos os direitos reservados.